Ilha Porchat

Ilha Porchat, São Vicente – SP

Ilha Porchat

A Ilha Porchat é uma “ilha da fantasia” em quase todos os sentidos, a começar pela geografia: nem é uma ilha.

Não chega nem a ser um cabo, cuja definição é: acidente geográfico formado por uma massa de terra que se estende por um oceano ou mar que lhe está adjacente. É uma ponta. Tecnicamente é chamada “promontório”.

Mas é linda, e já foi sede de cassino e de duas super badaladas discotecas nas décadas de 80 e 90: Pirata e a Blitz.

Certamente foi local de muitas fantasias e sonhos de várias gerações.

Deve o seu nome à família Porchat, que tinha lá várias casas de veraneio e um cassino – frequentado por pessoas de alto padrão, vindas de toda a região.

Após o declínio do cassino e do entretenimento que ele proporcionava, a ilha foi ocupada por residências fixas – e também casa de espetáculos, com a posterior construção do Ilha Porchat Clube logo na sua entrada.

Muita coisa já foi escrita a seu respeito, existindo versões históricas de que, em época remota, foi adquirida por um colono português sem o dom da palavra, motivo pelo qual passou a chamar-se Ilha do Mudo.

Depois do nome primitivo, teve a alcunha de Ilha das Cobras, isso em fins do século XVIII, quando foi vendida a Luiz Antônio de Souza.

Logo após a primeira década do século XIX, passou às mãos de outro lusitano, que iniciou a criação de caprinos em suas encostas, levando os habitantes de São Vicente a chamá-la de Ilha das Cabras.

É um lugar cheio de histórias, um pouco maltratado pelo poder público.. mas que a natureza acaba dando um jeito de manter lindo:

Ponte Pênsil de São Vicente

Ponte Pênsil de São Vicente

Ponte Pênsil de São VicentePonte pênsil ou ponte suspensa é um tipo de ponte sustentada por um sistema de cabos e mastros.

Na ponte pênsil os cabos principais partem de um mastro a outro formando uma parábola.

Dos cabos principais partem os cabos de sustentação da plataforma, que são verticais e espaçados igualmente.

É uma técnica construtiva anterior ao da ponte estaiada.

Ponte Estaiada

A ponte estaiada é uma alternativa intermediária entre uma ponte pênsil, que requer maior estrutura de cabos, e uma ponte fixa, que requer uma estrutura de sustentação mais cara e elaborada.

As pontes estaiadas são suspensas por cabos de sustentação que partem diretamente de um mastro e vão até a plataforma.

Ponte Pênsil de São Vicente

Foi a primeira ponte pênsil a ser montada no Brasil, fica no sopé do Morro dos Barbosas, São Vicente-SP, sobre o Mar Pequeno, e começou a ser construída em 1912, sendo finalizada em 1914.

Idealizada pelo sanitarista Francisco Saturnino de Brito, seu principal objetivo era conduzir o esgoto coletado nas cidades de Santos e São Vicente para seu lançamento no Oceano Atlântico, no Forte de Itaipu, área que hoje se situa no município de Praia Grande.

A Ponte Pênsil de São Vicente foi um marco no desenvolvimento da Praia Grande, por que foi a partir dela que aumentou significativamente o fluxo de pessoas, com reflexos sobretudo no mercado imobiliário da região.

Rio Piaçabuçu

Rio Piaçabuçu – Praia Grande

Rio Piaçabuçu

A história do Rio Piaçabuçu (pronuncia-se “Piassá Bussú”) está intimamente ligada à história de Praia Grande-SP.

No início do século XIX, o Rio Piaçabuçu era o fio condutor que ligava o município de São Vicente à Vila de Conceição do Itanhaém.

Na época, Praia Grande era formada por sitiantes e o rio era utilizado para escoar a produção agropecuária da região.

Havia muitos portos ao longo do seu curso, como o Porto do Piaçabuçu (no atual bairro de Caieiras), o Porto do Campo (atual Portinho, no Intermares) e os Portos do Tumiarú e das Naus (em São Vicente).

Piaçabuçu vem do tupi, significa “Porto Grande”, e esse foi o primeiro nome que os indígenas deram à Praia Grande.