Marido mata esposa

Marido mata esposa em Praia Grande

Marido mata esposa

Em meio a tanta desgraça em nosso país, tanta gente sendo morta, agredida..

.. em meio a milhões de brasileiros que tiveram seus direitos aviltados por uma corja de políticos que fez explodir a violência no Brasil..

.. em meio a todas essas notícias diárias, essa tragédia em Praia Grande me tocou de forma intensa, me deixou muito triste.

Todo pequeno comerciante brasileiro é um prisioneiro dessa condição.

Refém da violência e da indiferença.

Todos são tratados como lixo, apesar de serem o principal alicerce da riqueza desse país, de onde sai a esmagadora maioria dos empregos que sustentam milhares de famílias.

O cara trabalha feito um cavalo, paga impostos de tudo quanto é jeito, sustenta o judiciário mais caro do planeta, e vive ameaçado 24 horas por dia, em um ambiente selvagem, sem regras, sem justiça.

Padarias e mercadinhos, sobretudo os da periferia, são um clássico.

Alguns chegam ser assaltados mais de 1 vez por dia.

Não existe policiamento em Praia Grande

A polícia hoje em dia é parte do problema (também são outros que estão sendo triturados).

Neste contexto de luta, de guerra civil, o cidadão, desesperado, compra uma arma para defender seu negócio, a si próprio e a sua família.

Não sabendo usar, a arma dispara e ele mata a esposa.

Eu não sei o que significa isso para você, leitor(a), mas para mim é um golpe profundo na alma.

Não tenho como discutir o mérito da questão.

Cada um tem sua história de vida.

Eu, que sou casado a 20 anos, vejo um casal que se ama, que juntos lutam contra todas as adversidades do mundo, que estão ali, batalhando no dia a dia, lado a lado, palmo a palmo, para sustentar a si próprios e os filhos, são pessoas que tem uma conexão espiritual, são amigos, são amantes.

Aí o cara atira na esposa.. sem querer.. sua companheira morre..

.. o seu anjo..

.. meu Deus, que fardo..

.. que dívida é essa que esse coitado tá pagando?

O homem que matou a própria mulher durante uma suposta brincadeira dentro de uma padaria em Praia Grande, no litoral de São Paulo, afirma que não se lembra de como tudo aconteceu. Durante depoimento à Polícia Civil, Alexandre Severino de Noronha, de 35 anos, disse que tudo não passou de uma fatalidade e que não tinha certeza se havia apertado o gatilho. Francisca Marinheiro, de 37 anos, morreu poucos minutos após ter sido atingida por um disparo.

Rio Piaçabuçu

Rio Piaçabuçu – Praia Grande

Rio Piaçabuçu

A história do Rio Piaçabuçu (pronuncia-se “Piassá Bussú”) está intimamente ligada à história de Praia Grande-SP.

No início do século XIX, o Rio Piaçabuçu era o fio condutor que ligava o município de São Vicente à Vila de Conceição do Itanhaém.

Na época, Praia Grande era formada por sitiantes e o rio era utilizado para escoar a produção agropecuária da região.

Havia muitos portos ao longo do seu curso, como o Porto do Piaçabuçu (no atual bairro de Caieiras), o Porto do Campo (atual Portinho, no Intermares) e os Portos do Tumiarú e das Naus (em São Vicente).

Piaçabuçu vem do tupi, significa “Porto Grande”, e esse foi o primeiro nome que os indígenas deram à Praia Grande.

Praia Grande

Praia Grande – SP

Praia Grande

Outrora, Praia Grande era menos que um bairro de São Vicente..

Era passagem para o sul.. conhecida como Piaçabuçu ou o Caminho de Conceição do Itanhaém..

Piaçabuçu é o nome do rio que serpenteia a Baixada, entre São Vicente (Mar Pequeno) e Ilha das Caieiras em Praia Grande.

Vila Conceição do Itanhaém era o antigo nome de Itanhaém.

Em 1914 o sanitarista Saturnino de Brito viu concretizada sua ideia de levar o esgoto de Santos para fora da cidade.

Para isso construiu o que hoje conhecemos como a Ponte Pênsil (passagem para os canos que iam até o Morro do Itaipú, para desaguar no mar, em Praia Grande).

Há males que vem para o bem.

A construção da Ponte Pênsil facilitou o acesso das pessoas à Praia Grande. Com isso, os terrenos passaram a ter um maior valor do que tinham antes.

Foi o primeiro “boom imobiliário” da Praia Grande.

Confira trecho de uma carta de Benedito Calixto de Jesus, famoso pintor, professor, historiador, ensaísta da baixada: é nome de rua, escola, etc.:

S.Vicente, 23 de março de 1912

Amigo Narciso,

(…) consta-me que você pretende ir a Conceição*, justamente nestes dias, antes da Páscoa, e portanto veja se pode chegar aqui em nossa casa para conversarmos. Temos muita coisa à falar sobre esses negócios de Conceição e principalmente sobre essas terras de Praia Grande tão procuradas e cobiçadas, agora, pelos homens de negócio (…).

Falaremos, ainda, sobre a sorte desses pobres praianos, nossos patrícios, e sobre o procedimento desse italiano que pretende despojá-los do único bem que possuem: as suas terras.(…)

Calixto”

Em 1967 veio a emancipação.

Em 1979, Paulo Maluf inaugura a Ponte do Mar Pequeno, alternativa para a já saturada Ponte Pênsil, e amplia o acesso de paulistanos ao litoral.

Praia Grande é limpa

Durante muito tempo, a Praia Grande foi conhecida por suas praias sujas e feias. Havia muito preconceito contra a cidade.

Mas em 1993, na administração do prefeito Alberto Pereira Mourão, foi elaborado um projeto para reurbanizar a orla, incentivar o turismo, o comércio e, principalmente, os investimentos na construção de prédios e casas.

Com as reformas, os moradores começaram a valorizar a cidade e a criar com ela uma identidade.

Atualmente o município tem uma população de 300 mil habitantes, em uma área de 147 km², e é uma das praias mais movimentadas do Brasil.

Pesquisas da Dersa e da Ecovias calculam que em média 40% dos veículos que utilizam o Sistema Anchieta-Imigrantes em direção ao litoral têm como destino a cidade de Praia Grande.

Na alta temporada, recebe cerca de 1,5 milhão de turistas (mais de cinco vezes a sua população fixa).